Sylvia Montarroyos

Silvia_Montarroyos-3

“Fui presa em casa junto com meus irmãos e meu namorado na época, que era uruguaio. Fugi depois não por fugir, mas por causa do uruguaio que estava irregular no Brasil e não teria como comprovar ao país que estava aqui”. “Quando chegávamos na delegacia, uma equipe de televisão estava filmando e o delegado disse que eu tinha cara de anjo mas que era diabólica, eu cuspi na cara dele e lá dentro fui queimada, espancada”.

Silvia_Montarroyos-1

“Eu jamais cheguei a dizer alguma coisa, denunciar meus companheiros e, por isso, eles me prenderam numa jaula dentro do quartel de Tejipió durante 30 dias, 15 num subterrâneo escuro e 15 na floresta do quartel, ao relento, nua e sendo alimentada com meio pão e meio copo de água. Cheguei a pesar 23 kg devido a essas torturas.”

Sylvia Montarroyos, primeira mulher torturada em cárceres do regime militar, presa por pertencer ao movimento de resistência, Partido operário revolucionário trotskista- PORT.

“Não existe explicação lógica para o que sofri. Os médicos dizem que é um milagre eu estar viva”.

(Trechos do depoimento prestado a Comissão Estadual de Memória e Verdade de Pernambuco).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s